MUDANÇAS E TEMPO

MUDANÇAS NA LINHA  DO TEMPO

Pendulo
O PÊNDULO DO TEMPO E DA VIDA

Houve um tempo e não há muito tempo que, ao percorrermos as ruas da cidade,em Tana bi-SP,  em especial a rua Coronel  Militão, a rua do comercio, a rua principal, era comum encontrarmos pessoas, muitos aposentados, de certa idade, que desfilavam pelas calçadas, alguns com bengalas, outros com andador ou mesmo muletas, outros ainda lépidos a todos cumprimentando e chamando pelo nome. Visitavam o povo e  ruas ou indo até a farmácia buscar ou tomar alguma medicação, ou ainda apenas passeando, matando o tempo, e ainda tínhamos os  relativamente jovens.

De repente, e  bastante de repente  mesmo, dado ao pouco tempo escoado ela plataforma dos meses, e em menos de um ano, parece que, como por encanto, a grande maioria desapareceu. Alguns tiveram seus nomes lembrados, em razão da ausência ou mesmo em razão do obituário publicado pelo face ou pelas rádios locais.

Tenho a impressão que vou encontra-los pelas ruas como antes. Fazem falta ao cotidiano. Parece que está faltando alguma coisa ou muitas coisas.  O lapso de tempo que se registrou com a partida deles foi pequeno e o número de ‘ausentes’ é grande e percebido por muita gente ou por praticamente todos.  O silêncio sobre tais ausências, porém, é latente, é forte, é percebido e toca na alma da gente despertando uma tristeza forte e insistente. No âmbito familiar isto é muito mais forte.

-Você soube? O fulano morreu!  Como se eu ainda ontem encontrei com ele e ele parecia bem?

-Pois é, está lá no velório. Morreu de repente, coitado!

E a listagem é enorme. Vez em quando o jornal  O Município de Tanabi trás a lista completa. Fico assustado com a quantidade e alguns até que não fiquei sabendo, e se os encontrasse na rua tudo seria normal, como sempre foi…..

A mim, parece que ao passar pela rua tenho certeza que vou vê-los de novo e tudo vai parecer que nada aconteceu e que a vida continua.

Muitos deles fiz despedida no próprio velório numa espécie de adeus, de homenagem e respeito pelo que o ‘ de cujus ‘ foi para Tanabi, para mim e para nós. Irem embora sem um obrigado comunitário não entendo como certo. Faço a minha parte e a parte da cidade que, com certeza, perdeu um valor enorme em sua população, ou uma pessoa simples, mas parte de nossa  história.

Revertere ad Locun Tuum  está gravado na fachada do cemitério. Voltará ao teu lugar, ela nos diz.

Sábia frase. Verdade que dela não se foge.

 

O HOMEM SOCIAL
              O CIDADÃO E O POVO

 

Artigos relacionados

Deixar resposta